A Adoção De Animais Exóticos, Uma Realidade Pouco Conhecida

�Como apadrino um animal de estimação, se não posso fazê-lo? As adoções de cães e gatos têm aumentado nos últimos anos, graças às campanhas de conscientização. Não obstante, ainda existem algumas espécies, como roedores, coelhos e aves que cuja principal avenida de aquisição é de um a outro lado das lojas de animais. O principal pretexto: o desconhecimento da alternativa de adotá-los.

Quase 40% dos lares espanhóis retém ao menos uma das 20 milhões de animais de estimação contabilizadas em Portugal, segundo a Associação Madrilenha de Veterinários de Animais de Companhia -AMVAC – e algumas delas tratam-se de pequenos mamíferos. Exemplares que, em início, se pensa que precisam de menos cuidados que um cão ou um gato e que ao final acabam abandonados em cubos de lixo, esplanadas ou parques. A esta crença se une a praticidade com que se conseguem obter nas lojas, por apenas seis euros pode ter um hamster.

Por essas razões, existem protetores dedicadas exclusivamente a dar outra oportunidade a esses animais que são provenientes de particulares, do canil ou que tenham sido localizados pela via. A começar por ratos ou cobaias, passando por papagaios até tarântulas ou cobras é a fauna que acolhem estas associações. “Qualquer coisa que você obter é passível de ser abandonada”, adverte Maria Lahoz, voluntária da Associação Protetora de Animais Exóticos de Toledo” – APAET-. As desculpas que são normalmente usadas pra sair são a toda a hora as mesmas, de acordo com Lahoz: se mudam para outro estado e não conseguem levar os animais com eles ou que têm alergia.

Ela, além de colaboradora ativa, é uma das 8 casas de acolhidas que detém essa proteção entre Toledo e Madrid. Famílias que se oferecem para acomodar espécies exóticas que foram deixadas à sua sorte, até que encontrem outra família. “Estou oferecendo há muitos anos, para salvá-los de uma morte segura”, diz Lahoz.

E adiciona que “o acolhimento é uma maneira de auxiliar a agregação e é fundamental”. Os gerbos é a espécie de roedor que mais estão recebendo nos últimos meses, e confessa que a situação de abandono é “terrível”. “Pouco tempo atrás, entre as protetoras de Madrid nós fizemos cargo de por volta de trinta e cinco gerbils, uma loucura”, comenta a voluntária.

Também, é muito comum o abandono da cobra do milho, por causa de eles são um “modismo barato”, em razão de, “quanto mais caro é o animal menos se abandona pelo motivo de compra-se menos”. Um caso excepcional foi há três anos que receberam duas tarântulas do canil chamadas Krusty e Joãozinho. Felizmente estes exemplares foram adotados em muito pouco tempo, visto que eles têm “um público escasso, contudo muito interessado”, sentença Lahoz. Por seu lado, os animais que têm uma longa expectativa de vida assim como são muito suscetíveis ao abandono depois do falecimento do proprietário.

  • Cinco Canal de Chat da Aliança
  • Como na tundra, todavia com mais arbustos e árvores nas
  • Tinha o mesmo sabor
  • verifique se afirmam posturas agressivas. – Uma apresentação enérgica com as pernas retas
  • um Controvérsias sobre a aveia
  • Clado Microchiropteramorpha † (inc. sede.) – Gênero Jaegeria †
  • É traduzido pro castelhano

“Se morre um avô ou levá-lo a um centro de idosos e o animal de estimação vai para a rodovia, a família não é responsável pelo nada”, espeta Lahoz. Os papagaios são um dos maiores afetados por esse fato. “Eles sofrem muito, por causa de são emocionalmente muito sensíveis”, comentou. A jovem lembra o trágico caso de um casal em que ambos faleceram por diferentes situações e eles cuidavam de tuas duas aves. Outra agregação que opera em Madrid é “A Toca”. Seus participantes optaram agir quando se deram conta de que “os menores animais não tinham nenhum ambiente e ninguém se preocupava com eles”, relata a responsável de comunicação da protetora, Lara Padilha.

“As pessoas pensam de forma errada que os coelhos e roedores são animais ideais pras gurias, entretanto de fato são mais complexos que os cães por tuas próprias necessidades e o gasto de tua manutenção”, explica Lara Padilha. A quota mais cara de seus cuidados é o alimento e as visitas regulares ao veterinário específico em exóticos. Entre 2015 e 2016, conseguiram, devido a teu serviço, que sejam tomadas 75 animais. Porém, Padilha admite que há casos em que o exemplar pode demorar até 6 anos, deste modo há casas de acolhidas temporários e fixos.

42. Floresta. 43. Toscana. 44. Ex-Fazenda São Mateus ou Parque São Mateus. 45. Anjo de Luz. 46. Bosque. 47. Álamos III. 1. O Paiol De Pólvora. 2. O Machero. 3. Da Tabela. 4. Arrabaldes de Guadalupe. 1. A Capela. 2. O Sabino. 3. A Trindade. 4. São Roque. 5. O Machero. 6. A Lagoa. 7. Tlaltepan. 8. A Chinampa. 9. O Prieto. 10. Santo Estêvão.

11. Santiago. 12. O Tejocote. 13. Tlaxculpas. 14. Santa Maria Menina e Grande. 1. Vigueritas. 2. Tlaxculpas. 3. Vila Maria. 4. O Telhado. 5. Campo Aberto. 6. A Lagoa. 1. A Planície. 2. Guadalupe. 1. Santa Cruz e São José Ponte Grande. 2. São Paulo das Salinas. 1. Ejido de Teoloyucan: Fica limitado no teu lado poente com a avenida Das Almas – Coyotepec.

admin

admin

Deixe um Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gostou da nossa Revista

Mais de 200.000 acessos mensais aqui

Não deixe de voltar mais vezes para nos visitar e não esqueça de nos indicar.

Esperamos sua volta.

Rolar para cima