Entrevista Com Phil González, Fundador Da Comunidade De Instagramers – Weblog Magazine

Phil Gonzalez é o fundador da maior comunidade de usuários de Instagram do universo. Hoje entrevistamos no Weblog Magazine. Falamos com o francês, de família do rio, e nos explicou como foi que a comunidade de Instagramers. Também nos dá a tua opinião a respeito do Instagram e os últimos alterações implantados no aplicativo, prontamente de domínio do Facebook.

Phil González se vê a si mesmo impaciente e criativo e lhe chamam a atenção as alterações sociológicos que está causando o emprego das outras tecnologias e das redes sociais. Veio pra Portugal no momento em que encerrou os seus estudos superiores. Abaixo, a entrevista. Em Janeiro de 2011, a aplicação tem ainda “alguns” adeptos no universo, um milhão ou menos.

eu Vejo um terrível potencial viciante em app e um potente gerador de relações humanas, através da desculpa da fotografia. Nessa data, Instagram não tem nem site, nem blog e não há nada escrito a respeito do assunto. Decidi sendo assim gerar uma conta chamada de Instagramers Instagram e publicar no decorrer do meu tempo livre, alguns tutoriais em português, depois em inglês, com dicas de uso do aplicativo.

mais tarde, don giovanni a usuários em destaque pelo mundo… tudo isso pego em meu primeiro website “home” e fabricado durante um encerramento-de-semana por Antonio e João, webmaster e designer de minha corporação. Às duas semanas, Instagram me apaga a conta @Instagramers por “excessivo ” parelho” ao nome de sua aplicação.

Depois de um monumental cabreo, ao longo do qual estou a ponto de largar tudo, decidi destacar pra start-up americana que a Internet e a comunidade de seus usuários e são capazes de com cada coisa. Decidi criar uma nova conta pelo “0”. Essa conta será chamado @IGers (diminutivo de Instagramers) . Um par de semanas depois, uma jovem catalã chamada Marta Alonso me pede autorização para utilizar a marca e desenvolver um grupo de Instagramers Barcelona.

E aceito. Será o primeiro grupo de Instagramers no mundo (@IgersBcn) e só alguns dias depois criamos @IgersMadrid. Eu percebi de forma acelerada que o Instagram não iria liderar a constituição de uma comunidade global e os usuários precisavam de uma bandeira independente, alguns responsáveis a nível recinto que, de modo desinteressada, reúna as pessoas. Me começam a publicar do universo inteiro e criamos “franchising” em Londres, Milano, em Manila, em Paris… E até 4 grupos, em San Francisco (berço do Instagram).

Os grupos começam por organizar encontros, tomar umas canas, e depois nos lançamos para organizar concursos de imagens, exposições e participar em todo o tipo de eventos culturais em redor do Instagram. Sem desejar, Instagramers ficou a primeira rede de fãs de uma aplicação móvel. Hoje eu estou em contato permanente com a equipe de social media do Instagram para relatar eventuais problemas pela aplicação e tentar solucioná-los. Por que teve em tão alto grau sucesso Instagram tanto no grupo de usuários especialistas em fotografia como em os fãs?

  • Alberto Chicote vais Te consumir? (Antena 3)
  • dois Identifica os seus Clientes potenciais
  • “Century” (com [[Re:boot (Kiro and Denis Av)]])
  • 10 Contratos de imagem pública ilegais da Púnica
  • 4o: Criar a ideia
  • Ursula porto da colômbia (seis milhões)
  • acompanhe e premiar os seus fãs
  • Pellegrino: “Continuo pensando que

Inicialmente definia Instagram como a “democratização da fotografia”. Para mim, o Instagram era a nova Polaroid 2.0 que permitia (através de seus filtros vintage) perceber criativos e deixar para trás essa frustração de não ter sido um prazeroso fotógrafo. Agora, de forma mais profunda, costumo manifestar que o Instagram é a superior ferramenta relacional que já existiu. Talvez ainda mais do que o Facebook. As imagens são uma desculpa pra encontrar (de uma maneira muito pessoal e baseada em emoções) a centenas de novas pessoas aqui, da Cidade do Cabo ou de Sidney, que compartilham a mesma sensibilidade e a mesma torcida. Efetivamente, no Instagram, surgem grandes amizades, oportunidades profissionais e até surgem casais.

Pros fotógrafos profissionais vem sendo um pouco diferente. Os fotógrafos que foram ligados à aplicação descobriram uma maneira de alavancar o seu serviço. É uma oportunidade de doar a dominar uns aos outros em um ambiente natural de pessoas interessadas na foto (como uma nova ferramenta de marketing pessoal). Para outros profissionais, é, provavelmente, uma nova rua de análise criativa ou uns novos desafios criativos.

admin

admin

Deixe um Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gostou da nossa Revista

Mais de 200.000 acessos mensais aqui

Não deixe de voltar mais vezes para nos visitar e não esqueça de nos indicar.

Esperamos sua volta.

Rolar para cima