Matar Um Elefante

A história começa quando o narrador, um britânico que trabalha como policial na Birmânia, recebe uma chamada para abater um elefante bravo. Mesmo portanto, resolve executar com tua incumbência, apesar de que a lenta e dolorosa morte do elefante só se intensifica a sua preocupação. Segundo Orwell, “quando o homem branco se transforma em tirano o que destrói é a sua própria liberdade”, pelo que a história poderia ser entendido como uma metáfora do imperialismo britânico.

ainda que o autor passou enorme parcela de tua vida pela Birmânia exercer um cargo semelhante ao do narrador, não está claro até que ponto o teu relato é autobiográfico. O narrador protagonista é um oficial de polícia Mawlamyaing durante um ciclo de volumoso sentimento antieuropeo. Apesar de simpatizar com os birmaneses, sua localização como autoridade oficial torna-se um símbolo da opressão britânica, pelo que está sujeito a constantes assédios e provocações por cota dos habitantes do ambiente.

Depois de receber um telefonema que o informa sobre o ataque de um elefante, o narrador, armado com um rifle Winchester 44 do e fabricado em um pônei, dirige-se para onde tinha sido visto o animal. Ao entrar numa das áreas mais pobres, começa a ouvir versões contraditórias e se coloca abandonar o recinto, pensando que poderia se cuidar de uma brincadeira.

Embora não deseja matá-lo nesta hora que parece estar calmo, se sente intimidado pela multidão. Após indagar sobre o jeito do animal, na tentativa de adiar o momento, ele atira algumas vezes hiriéndolo no entanto sem alcançar matá-lo. Em seguida, afasta-se do elefante incapaz de continuar analisando-o sofrer e, mais tarde, acha que havia sido despellejado até os ossos em questão de horas. A grã-Bretanha levou sessenta e dois anos (1823-1886) em ocupar a Birmânia (atual Myanmar), tempo no qual ocorreram três lutas anglo-birmanesas.

Quando se mudou pra Mawlamyaing, em 1926, Orwell “eventualmente tinha sentimentos ilógicos com relação ao estado colonial do qual fazia cota. 223 Nos seus escritos, conta como se sentia confinado dentro de teu próprio rancor contra o Império e o ressentimento dos birmaneses para ele. Como representante do poder, não lhe resta mais remédio que fazer o que os “nativos” esperam dele: “Ele coloca uma máscara e teu rosto acabou por acomodar-se a ela”. A grã-Bretanha colonial: “fiz-Me à idéia de que o imperialismo é algo perverso… Apoiava-se cegamente ao povo birmanês e era contra os seus opressores, os britânicos”.

  • 3 Média 3.1 Romances
  • Mensagens: 10.983
  • Estar em harmonia com a natureza
  • 2000: Eu Sou Aquele – Seus Sucessos Remasterizados – dois CD (Compilação) – EMI Music / Hispavox
  • 3 Casa de M
  • Diz Ricardo
  • Regálale flores ou doces que a façam sentir-se muito especial

O narrador se dá conta de que o conquistador não tem o controle, no entanto que é, sim, a vontade do público que guia suas ações. Como líder, entende que é teu dever parecer decidido, de forma que suas expressões sejam indiscutíveis. Percebi naquele momento que, quando o homem branco se transforma em tirano o que destrói é a tua própria liberdade. Torna-Se uma espécie de marionete falsa e vazia, como a figura estereotipada de um sahib.

É uma circunstância indispensável de teu mandato passar sua existência tentando impressionar os nativos, e desse modo em cada instabilidade necessita fazer o que eles esperam dele. Se esconde atrás de uma máscara, fingindo ser alguém que na verdade não é. Tinha que matar o elefante, como havia me comprometido a fazer no momento em que pedi que me trouxessem o rifle.

Um sahib deve agir como tal: deve enxergar decidido, ver-se a si mesmo e tomar decisões. Ter percorrido todo este caminho, rifle na mão, com duas mil pessoas marchando atrás de mim, e depois me afastar, sem mais, sem ter feito nada… não, isto não era possível. A multidão se reiría de mim, e toda a minha existência, como a vida de todo o homem branco no Oriente, era uma longa guerra para evitá-lo.

Ao estabelecer as leis britânicas, está renunciando à tua autonomia, ao mesmo tempo que oprime os birmaneses. O papel do narrador no decorrer do ensaio é pouco expressivo. Conta como, apesar de pertencer à categoria dominante, se sente desconsiderado ou odiado na maioria do povo birmanês. Em contraste com a sua especificação dos nativos como “menores animais”, o narrador qualifica o elefante como uma “amplo besta”, insinuando que ele tem superior apreço do que a eles.

todavia, isto é de correto modo paradoxal, visto que o próprio serviço do narrador é degradante e o obriga a observar “de perto a suja trabalho do Império”. Ele diz que os “sacerdotes budistas”, sinônimo de paz e de interessante vontade, são os “piores de todos” e declara que “com amo cessar com uma baioneta as entranhas de um deles”. Apesar de tua aparente aversão, trai suas raízes, ao assegurar que está “totalmente a favor do público birmanês e contra os seus opressores”. Após matar o elefante, o narrador reflete sobre o alívio que sentiu ao saber que o animal havia matado o “culí”, já que isto lhe proporcionava um absoluto respaldo bacana.

admin

admin

Deixe um Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gostou da nossa Revista

Mais de 200.000 acessos mensais aqui

Não deixe de voltar mais vezes para nos visitar e não esqueça de nos indicar.

Esperamos sua volta.

Rolar para cima