Visão. Transformação. Liderança. (II) – O Blog De Jorge Cachinero

Não é um capricho, nem sequer é uma possibilidade, entre diversas outras, para os líderes empresariais. É um imperativo, que não tem data de começo ou data de conclusão. Nos últimos anos, tem-se insistido ad nauseam em que esta transformação deve ser, essencialmente, digital. De fato, assim sendo chegou a conceptualizarse: transformação digital.

Alguns tentaram limitar à modificação nos modos e nas maneiras em que as empresas precisam utilizar as algumas tecnologias da dica e da intercomunicação, pra apresentar suas probabilidades de valor ao mercado. As transformações a que têm que suportar com os diretores do século XXI, todavia, são mais profundas e não, obrigatoriamente, estéticas: precisam mudar inteiramente os modelos de negócios que lideram.

A alternativa é despencar na insignificância perante os clientes e, por ventura, sumir do mercado. A tecnologia representa somente um quarto destas alterações. O resto necessita enxergar com as pessoas. Em primeiro espaço, os consumidores e os freguêses têm de ser a verdadeira guia do que as necessárias modificações por abordar. Clientes e compradores precisam ser ouvidas, ativa e atentamente para que os modelos de negócio do século XXI possam antecipar tuas verdadeiras necessidades e exceder a satisfação dessas. Em segundo território, as alterações dos modelos de negócio têm que olhar com a qualidade da liderança das corporações.

Os líderes corporativos precisam ser os verdadeiros campeões desta transformação. Caso inverso, isto nunca vai ocorrer. Em terceiro ambiente, a transformação dos modelos de negócio necessita de a modificação do projeto da estrutura e do modo dentro das instituições. Novamente, esse é um modo onde os seres humanos, e não, da tecnologia, são o epicentro em volta do qual têm de buscar todos os esforços.

Finalmente, as mudanças dos modelos de negócio do século XXI precisam enrocarse em torno da tecnologia. Entretanto, isso não necessita tornar-se um término em si mesmo, entretanto um meio para conquistar tudo o anterior. A tecnologia tem que acertar-se à proporção das necessidades de cada organização e de suas estratégias. Não existe um padrão preconcebido no que se encaixem e que assegure o sucesso de todas elas.

  1. Avaliação de desempenho e robustez.[2]
  2. As oportunidades e pontos fortes, os pontos fracos e ameaças
  3. 30FÚTBOL / premier
  4. dois As ferramentas
  5. 32: não é suficiente para embasar o texto
  6. Sustentar as pensões exigirá desenvolver-se 2,6% ao ano até 2050
  7. Comer de forma saudável
  8. Crianças dependentes do móvel

O egoísmo ético é algumas vezes a apoio filosófica para apoiar o libertarianismo ou o anarquismo individualista como em Max Stirner, entretanto são capazes de assim como basear-se em motivações altruístas. Trata-Se de posições políticas baseadas, em fração, na crença de que os indivíduos não precisam evitar coactivamente outros exercer a sua autonomia de ação.

A doutrina do individualismo econômico sustenta que cada ser necessita permitir a autonomia pra tomar tuas próprias decisões econômicas em contraposição àquelas decisões que tomam o estado, a comunidade, a empresa, etc., O liberalismo clássico é uma ideologia política que se desenvolveu no século XIX, na Inglaterra, Europa Ocidental e das Américas. Seguiu-se a formas anteriores de liberalismo em seu pacto com a autonomia pessoal e o governo popular, no entanto se diferenciou das maneiras anteriores de liberalismo em teu pacto com os mercados livres e a economia clássica.

admin

admin

Deixe um Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gostou da nossa Revista

Mais de 200.000 acessos mensais aqui

Não deixe de voltar mais vezes para nos visitar e não esqueça de nos indicar.

Esperamos sua volta.

Rolar para cima